Responsive Advertisement

 

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

 

O ministro da Casa Civil, Rui Costa (PT), após declaração de que Brasília seria uma “ilha da fantasia”, condenando a instalação da capital federal na cidade, ignorou todas as tentativas de ‘destituição’ do posto de ‘braço direito’ do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), até mesmo por parte de aliados petistas. Sem se manifestar, como já era esperado, Rui seguiu sua rotina , despachando com o presidente durante toda esta segunda-feira (5), após a polêmica instalada e não deixou de explicitar em suas redes sociais.

O destaque foi para a assinatura da Medida Provisória para o programa Desenrola, que visa facilitar a renegociação de dívidas do governo federal e, ainda a que reduz os preços dos veículos e incentiva a renovação das frotas de ônibus e caminhões.

“Hoje, o presidente @lulaoficial assinou a medida provisória para o programa Desenrola, que visa facilitar a renegociação de dívidas do governo federal. Outra ação que melhora ainda mais a qualidade de vida dos brasileiros é a medida para reduzir os preços dos veículos e incentivar a renovação das frotas de ônibus e caminhões. A união e reconstrução do Brasil passa pelo compromisso de todos com o desenvolvimento sustentável e hoje me reuni com o ministro de Minas e Energia, @alexandresilveiramg, e com o governador da Paraíba, @joaoazevedolins para tratar de investimentos em energias renováveis. Seguimos trabalhando com muito empenho e dedicação para acelerar o crescimento do nosso país”, fez questão de frisou em seu perfil no Instagram.

No rol dos seus compromissos, comemorou também o Dia Mundial do Meio Ambiente, ocasião em que foi relançado pelo governo federal o PPCDAm (Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal).

“Nesta segunda-feira (05), Dia Mundial do Meio Ambiente, o @mmeioambiente relança o PPCDAm (Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal). Esse programa foi criado em 2004 com o objetivo de reduzir de forma contínua o desmatamento e criar as condições para um modelo de desenvolvimento sustentável na Amazônia Legal. O PPCDAm foi responsável pela maior redução do desmatamento da Amazônia da história, diminuindo-a em 82% em 2004 a 2015. Governo Federal, compromisso com o Meio Ambiente, união e reconstrução”, citou em sus redes.

Procurada pelo bahia.ba, a assessoria do ministro informou que não iria comentar sobre o assunto.

Os deputados distritais pastor Daniel de Castro (PP-DF), Joaquim Roriz Neto (Pros-DF) e Thiago Manzoni (PL-DF) enviaram nesse domingo (4), um ofício para o presidente solicitando a demissão do ministro, Rui Costa.

O pedido foi após o ex-governador da Bahia, ao participar da inauguração do Hospital Regional Piemonte do Paraguaçu, em Itaberaba (BA), representando o governo federal, ao lado da ministra da Saúde, Nísia Trindade, afirmar que levar a capital do País para Brasília fez “muito mal ao Brasil” por “afastar” os congressistas da “vida das pessoas”.

O presidente Lula, entretanto, já havia descartado fazer uma reforma ministerial para atender ao pedido do Centrão que vinha reclamando da articulação política do governo. Ele enfatizou, inclusive a que só fará mudanças ‘a menos que aconteça uma “catástrofe”. Nesta terça-feira (6), voltou atrás, mas aventou apenas  mudanças pontuais, como troca de comandantes de pastas do União Brasil (UB), cuja bancada está descontente, que não envolveria seu núcleo forte de governo, conforme aliados.

Ele, no entanto, não estaria livre de uma nova contraofensiva do Congresso. O ministro pode ser convocado para prestar esclarecimentos no plenário da Câmara, a pedido dos parlamentares aliados ao presidente da Casa Legislativa, Arthur Lira (PP-AL), que já deu o aval positivo para que a medida aconteça.

Post a Comment