Breaking News
recent

Que “raça hipócrita” é a raça humana

 



A que ponto chegamos! Semana passada o país parou para debater uma questão homofóbica, ou um beijo gay de um garoto-herói fictício, filho do Super-Homem. Isso mesmo, Clark Kent (eterno herói dos HQ/TV/Cinema) ganhou um filho bi-sexual (Jon Kent), da produtora DC Comics, e em um dos episódios ele beija um outro garoto. Essa cena em quadrinhos incomodou mais que uma cena real de famílias saqueando um carro de lixo para pegar osso bovino para se alimentar.
A que ponto chegou a nossa “raça humana” - que está mais preocupada com “pseudos padrões sociais” do que com a miséria e a fome de milhões de brasileiros?
Não consigo acreditar que um beijo gay (de um personagem fictício) tenha mais relevância e incomode (parte da nossa sociedade) mais que a miséria de milhões de brasileiros. É muita hipocrisia!
Vi inúmeros comentários nas redes sociais e alguns curiosos, mas o que me chamou mais atenção foi o aviso de um ‘homem hétero’, dizendo que tudo começa assim, com um simples beijo, até o hétero virar a casaca. O cara estava preocupado e dando a entender que esse tipo de cena pode influenciar na opção sexual da pessoa. 
Juro que fiquei a me perguntar se aquele indivíduo preocupado com o beijo gay é mesmo ‘hétero’, pois eu sou hétero e não me vejo ‘ameaçado’ por um beijo gay, seja na TV, cinema, nos HQ ou ao vivo. Cada um é o que é e beija quem quer. 
Precisamos parar de olhar a vida alheia e começar a prestar mais atenção aos nossos atos diários. Em pleno século 21 é inadmissível você achar que é melhor ou está do lado ‘certo da força’ por ser hétero. Desde quando o gênero te torna um ser humano melhor? Precisamos entender que o gênero é o que menos importa.

Arnold Coelho
João 13:34

Um comentário:

Tecnologia do Blogger.