Breaking News
recent

'É uma viagem através da imaginação', diz Alceu sobre projeto realizado na pandemia

 

'É uma viagem através da imaginação', diz Alceu sobre projeto realizado na pandemia
Foto: Leo Aversa / Divulgação

Em meados de março, Alceu Valença lançou o “Sem Pensar no Amanhã”, primeiro disco de um projeto de álbuns gravados durante a pandemia (saiba mais). Além deste, dois outros já foram registrados em estúdio, enquanto um terceiro aguarda o cantor e compositor pernambucano de 74 anos ser totalmente imunizado contra a Covid-19. “Tem esse disco ‘Sem Pensar no Amanhã’, depois tem um segundo chamado ‘Era Verão’, tem um terceiro que eu não coloquei o nome, e o quarto disco vai ser gravado agora depois que eu tomar a segunda dose da vacina”, conta o músico. 

 

O projeto em questão nasceu do ócio criativo, durante o período de isolamento social, quando ele ficou impossibilitado de cumprir sua extensa agenda, que só no primeiro semestre de 2020 previa 45 shows no Brasil e 16 na Europa. “A motivação foi estar em casa, eu que viajo tanto. Logo após o carnaval do outro ano teve a pandemia e eu comecei a tocar violão em casa, coisa que eu não costumo fazer, porque eu vivo na rua”, relata o cantor, que, por meio de sua “viagem sonora”, diz ter superado a forte saudade de circular pelo mundo. “Cantando eu estou viajando também, é uma viagem através da imaginação. É uma viagem do presente, do passado e até do futuro. Eu vou me transportando para determinados momentos”, filosofa.

 


Alceu celebra segunda dose da vacina contra a Covid-19, nesta sexta-feira (clique aqui e saiba mais) | Foto: Reprodução / Instagram

 

Confinado em sua residência, no Rio de Janeiro, e sem poder visitar suas outras bases, em Olinda (PE) e Portugal, Alceu abraçou o violão. Entre dedilhados e passeios por seu vasto repertório ele atraiu a atenção da esposa, Yanê Montenegro, que assina a produção executiva do álbum de estreia. “Eu estava tocando por deleite e ela disse que o disco estava lindo, que estava tocando bem e que era bom a gente fazer um disco”, lembra.

 

Naquele momento não havia um projeto concreto, mas a partir do estímulo Alceu abraçou a música e a poesia, aproveitou para apurar a técnica, e, entre novembro do ano passado e janeiro de 2021, gravou cerca de 30 canções munido apenas de sua voz e um violão. O registro foi realizado no estúdio da Deck, com produção de Rafael Ramos, e incluiu novas roupagens de grandes sucessos, reinvenções de tesouros escondidos de seu repertório, além de músicas inéditas, dentre elas “Sem Pensar no Amanhã”. 

 

A escolha das faixas deste primeiro álbum também se deu de forma muito natural, conduzida por uma narrativa visual característica do trabalho de Alceu Valença. “Todo esse disco tem uma coisa cinematográfica. Uma música entra na outra, como se fora um roteiro de um filme. Uma coisa vai entrando na outra”, conta o pernambucano. “A ‘La Belle de Jour’, a moça da praia de Boa Viagem, é a mesma moça que era uma bailarina e aparece na música ‘Mensageiro dos Anjos’. Essa daí fala do cabelo lilás e aí depois vem 'Táxi Lunar’ que fala de sol lilás. Depois eu pego o ‘Táxi Lunar’ e vêm lembranças na minha cabeça de quando eu estava na Universidade de Harvard, em Boston, nos Estados Unidos, fazendo um curso, quando vi a subida do homem à lua. Então, o que acontece? Do táxi eu subo para a lua e pego um trem na ‘Estação da Luz’, lá em São Paulo, e vou num passeio imaginário, percorrendo sobretudo o litoral brasileiro”, explica o artista, que assume papel de condutor e passageiro de uma viagem musical e poética através das 11 faixas do primeiro disco do projeto de gravações na pandemia.

 

Ouça o disco "Sem Pensar no Amanhã":

 

A saudosa Bahia também aparece no roteiro, que ultrapassa os limites do tempo. “Esse trem dá uma passada em Salvador e ali na Praia do Forte… É uma viagem do passado e do presente. Eu me vejo ali na Praça do Campo Grande e me lembro da pensão de Dona Germana, que foi onde eu me hospedei pela primeira vez aí, quando eu era estudante de Direito”, recorda Alceu, que retorna a Pernambuco pela Fortaleza de Santa Cruz de Itamaracá, mais conhecida como Forte Orange, com a “Ciranda da Rosa Vermelha”. “Eu danço ciranda lá no forte e aí é verão e vou para Olinda, em pleno carnaval. E aí eu estou na Pitombeira dos Quatro Cantos, que é um bloco situado atrás de minha casa. Lá e eu canto ‘Sem Pensar no Amanhã’, em que me refiro à doce bailarina de vestido azul, das primeiras músicas que falei”, narra Alceu Valença, que prossegue a viagem, encerrada com o fim da folia: “Olinda fica bem tranquila, silenciosa, só o barulho do sino da igreja. Aí, no terraço da minha casa, começa a aparecer beija-flor, sabiá, os rouxinóis. Ao terminar isso aqui eu me despeço da minha cidade e botei o pé no mundo cantando ‘Marim dos Caetés’”.

 

Assim termina a história atemporal do “Sem Pensar no Amanhã”, congregando canções de ontem e hoje, com vistas para o futuro. Neste sentido, Alceu tem celebrado o sucesso alavancado pelas novas tecnologias. “A internet deu um impulsionamento inacreditável dentro da minha carreira de visibilidade”, pontuou o artista, que viu viralizar uma versão de “Anunciação” - um de seus grandes sucessos - entoada pela torcida do Cerro Portenho, clube de futebol do Paraguai. Este hit, assim como “La Belle de Jour”, também embalam a história dos nordestinos Juliette Freire e Gilberto Nogueira, dois dos participantes favoritos do Big Brother Brasil 21. “Minha mulher falou sobre isso, mas eu vejo pouco televisão. No dia que eu vi o Big Brother não passou”, conta o artista, que nas horas vagas prefere tocar violão e ler a ver TV, mas agradece o carinho do público com sua obra. “Eu tenho uma satisfação. Que ótimo, uma maravilha. Eu fico alegre, a mesma coisa que eu sinto ao ver minha música tocando no Cerro Portenho e nos países Bascos”, celebra Alceu, cujas músicas ultrapassam números de visualizações de nomes como Paul McCartney e Bob Dylan no Spotify. 

 

 

"Anunciação" embala história de Gil e Juliette no BBB 21:

 


 

TU VENS, EU JÁ ESCUTO OS TEUS SINAIS

Sempre atual, “Anunciação”, que foi convertida em grito de torcida no Paraguai e no passado embalou processos históricos no Brasil, acabou virando também hino pela vacinação contra a Covid-19. “Ela foi uma das músicas das Diretas Já, foi sucesso em 1986, tinha muita gente que dizia que era a chegada de um amor, outros que diziam que era a chegada de uma criança e outros que eram tempos melhores. Eu espero que ela anuncie tempos melhores, agora anunciando a vacina”, pontua Alceu, classificando a vacinação como “uma coisa fundamental”. O músico destaca ainda o potencial de disseminação do vírus e conta que mesmo com muita cautela, acabou contraindo a Covid-19, em dezembro do ano passado (relembre). “Sempre me resguardei, me cuidei. Nunca peguei na mão de ninguém depois da pandemia - a não ser da minha mulher (risos) -, nunca comi um sanduíche fora, e lhe digo mais uma: testei positivo em determinado momento”, lembra o artista.

 

Como pessoa pública, o cantor pernambucano destaca a importância de se portar como influência positiva. “Eu, que sou uma pessoa conhecida, tenho que dar exemplo. Então, quando eu desço e vou lá na farmácia ou vou encontrar meu filho, não entro na casa dele e vou a pé. E eu vou com máscara, óculos de plástico, coloco o cabelo pra cima e um boné. Isso pra dar o bom exemplo também. Não posso estar brincando, porque o mau exemplo é horrível”, declara o cantor, que pretende seguir os cuidados mesmo depois da segunda dose da vacina. “Acho que a ciência está correndo atrás para salvar o mundo, existe uma guerra comercial dos laboratórios, mas eu, de minha parte, não estou nem aí. Eu tomarei. A vacina pode vir de Oxford, dos Estados Unidos, da China ou da Conchichina. Se passou pela Anvisa, tudo perfeito. Eu mesmo tomei a Coronavac e não tive nenhuma reação, a não ser falar mandarim (risos)”, brinca o pernambucano, em referência ao imunizante chinês.


“Eu faço tudo ao contrário do que eles [negacionistas] pedem ou do que eles dizem. Eu não sou negacionista, eu acredito na ciência", diz Alceu | Foto: Leo Aversa / Divulgação


Com os pés no chão, ele conta que rechaça veementemente os discursos que vão contra os protocolos estabelecidos por especialistas para o combate à pandemia, a exemplo do isolamento social, a aplicação da vacina e o uso de máscaras. “Eu faço tudo ao contrário do que eles [negacionistas] pedem ou do que eles dizem. Eu não sou negacionista, eu acredito na ciência. Essa merda pegou no mundo todo, na Índia, na China, nos Estados Unidos, em Portugal, Argentina… Tudo quanto é canto pegou, então como é que eu vou negar uma história dessas?”, questiona Alceu Valença. “Quantas pessoas morreram porque não acreditavam nisso? Então, não sou negacionista, pra mim a Terra é redonda, pra mim o vírus tem que ser tratado com vacina, da mesma maneira que o vírus da gripe foi tratado com vacina”, reitera o cantor, revelando que a Covid-19 ceifou a vida de várias pessoas próximas, inclusive um primo de 38 anos. 

 

Sem apoiar-se em milagres ou em otimismo exagerado, Alceu defende ainda que a empatia é o caminho mais viável para o pós-pandemia. “Não venho agora com teoria ‘ah, isso aqui é uma coisa para a comunidade ficar melhor’. Não, a comunidade pode até ficar melhor, depois, em função da empatia, de você entender o outro. Mas não é essa a questão. As pessoas que não se cuidam estão fazendo um mal à sociedade. E é preciso ter empatia”, avalia o cantor, que, mesmo diante de uma realidade desoladora, acredita que é preciso seguir. “Todo dia eu recebo uma notícia, mas a gente tem que ir em frente, com alto astral, pensar no hoje e ‘Sem Pensar no Amanhã’, mas pensando um pouquinho”, conclui.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.