Breaking News
recent

Santa Casa comemora 500 altas médicas das Unidades Covid

 

Desde a entrada dos primeiros pacientes com sintomas do novo coronavírus que a rotina nos corredores, leitos e estacionamentos dos hospitais Calixto Midlej Filho (HCMF) e Manoel Novaes (HMN) mudou. Com o aumento de casos graves de infectados pelo vírus, o número de internamentos disparou nos últimos seis meses, principalmente de pacientes adultos, e cada alta médica tem sido muito comemorada. Os pacientes recebem o certificado de etapa vencida ao deixarem as unidades. Desse período de pandemia, há várias histórias felizes para contar sobre o tratamento. Uma das histórias de superação é do casal Judson e Maria de Lourdes Lisboa, que estão juntos há quatro décadas. Moradores de Itajuípe, eles ficaram internados na Unidade Covid do Hospital Calixto Filho, de onde receberam alta no dia 17 de julho. Outra história de superação nessa pandemia é de um homem de 103 anos. Morador de Uruçuca, seu José Rodrigues dos Santos ficou internado durante seis dias na enfermaria da unidade Covid-19 do Calixto Midlej Filho. Muito querido em sua cidade natal, seu “Zé Aguadeiro”, como é conhecido, foi recebido com festa no dia 20 de julho. Desde os registros dos primeiros casos de novo no sul da Bahia, na segunda quinzena de fevereiro, até quinta-feira (1ª) o HCMF e o HMN contabilizaram 2.532 atendimentos. Desse total, 922 pessoas precisaram de internamentos nas duas unidades, sendo que 502 já receberam alta médica. Muitas desses pacientes estão completamente recuperados da doença. A diretora técnica do HCMF, a médica Lívia Mendes, destaca que o hospital foi o primeiro no sul da Bahia a se preparar para atender pacientes com suspeita e/ou positivados para o novo coronavírus. “No início do ano promovemos o treinamento dos profissionais e adequamos as estruturas da nossa unidade para o enfrentamento ao novo coronavírus”, observa. A diretora afirma que a alta médica de cada paciente representa uma vitória não só para as famílias, mas também para todos os profissionais envolvidos no tratamento dele. “O nosso sentimento é de muita gratidão pelo trabalho que vem sendo oferecido. Os últimos seis meses foram muito difíceis, marcados por uma maior sobrecarga física e emocional, pois convivemos com o sofrimento de muitos pacientes e famílias”. Lívia Mendes relata que, em alguns casos, a doença atingiu mais de um membro da mesma família. Isso exigiu ainda mais dos profissionais. “Chegamos com essas 500 altas com o sentimento de que as nossas equipes fizeram o melhor trabalho possível para acompanhamento e tratamento desses pacientes. Chegamos até aqui com sensação de dever cumprido”. A médica ressalta que muitos pacientes chegaram em estado muito grave e, mesmo assim, conseguiram vencer a batalha contra o novo coronavírus. “Há casos de paciente que ficou internado no nosso hospital por mais de 60 dias e conseguiu se recuperar. Outros, com sequelas mais graves, ainda estão em fase de tratamento”, explica. A diretora médica alerta que o momento mais dramático parece ter sido superado, mas que as pessoas não podem abandonar as medidas preventivas. “Os números já mostram uma curva decrescente. A quantidade de pacientes internados caiu consideravelmente. Isso nos deixa um pouco mais tranquilos para sequência nessa luta de enfrentamento não só ao novo coronavírus, mas também na manutenção das assistências que o Calixto presta na nefrologia, oncologia, cirurgias de média e alta complexidade e aos pacientes da clínica médica”, finaliza.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.