Breaking News
recent

Queda de 2º ministro segue lógica bolsonarista com troca de seis por meia dúzia

Queda de 2º ministro segue lógica bolsonarista com troca de seis por meia dúzia
  A queda do segundo ministro do governo de Jair Bolsonaro obedece a uma lógica fácil de prever. Não a saída em si, mas a forma como Ricardo Vélez foi desconvidado do comando do Ministério da Educação. Foi assim com Gustavo Bebbiano, então homem forte no Palácio do Planalto e fritado em público pelo clã Bolsonaro. No princípio, as demissões foram negadas com todas as forças, mesmo que fosse inviável a permanência deles nos postos. Passado algum tempo, como se não houvesse tido nenhum esforço para desmentir as notícias, acontecem os desligamentos.

  Tanto quanto as substituições, o modus operandi delas também vale uma análise. Vejamos o caso específico de Vélez no MEC. Era insustentável que o ministro permanecesse no posto diante de todos os absurdos e impropérios cometidos. Desde a proposta de gravar alunos entoando o slogan da campanha de Bolsonaro até a negação da ditadura militar, o então comandante da Educação não teve nenhuma ação que mereça destaque na sua passagem. Porém o presidente da República empurrou com a barriga a saída dele, parte influenciado pelo guru Olavo de Carvalho, padrinho de Vélez.

  Há duas semanas, quando o ministro esteve na Câmara dos Deputados e foi desestabilizado pela deputada federal Tábata Amaral (PDT-SP), a jornalista Eliane Cantanhêde divulgou a demissão de Vélez do cargo. Como o governo se propõe anti-establishment – mesmo sendo tão sistêmico quanto qualquer outro -, Bolsonaro foi ao Twitter para tratar a informação como “fake news”, na ânsia do processo de descredibilizar a imprensa.

  Entretanto, a permanência de Vélez no MEC seria favas contadas para qualquer pessoa mais atenta ao processo político no Brasil. Sem expertise e apenas reprodutor de uma ideologia de direita – numa espécie de antítese não-declarada de marxismo cultural (?) -, manter o então ministro no posto seria quase que a morte anunciada de um dos pilares de qualquer governo, a educação. Por duas semanas, valeria espezinhar a imprensa. Por mais que isso, era sangrar desnecessariamente um governo ligeiramente combalido com tantas polêmicas.

  Assim, na sexta-feira, Bolsonaro sinalizou, também pela imprensa (olha só, a mesma tão criticada), que Vélez deveria pedir o chapéu e deixar o posto. Como o colombiano não pareceu afeito a sair do ministério e já sem o aval do olavismo, era natural que o “dia do fico”, como acabou batizada a segunda, se tornasse o “dia do adeus”. Tal qual foi indicado em dezembro, um tweet confirmou que Vélez já não seria mais ministro da Educação.

  Não que haja uma redução da política anti-ideologias mais ideológica do Brasil recente. O novo titular do MEC, Abraham Weintraub, é adepto das mesmas teorias conspiratórias anti-comunistas e de controle do “marxismo cultural” das universidades pela esquerda brasileira. Talvez, a troca tenha sido seis por meia dúzia. E até que se tenha novas polêmicas que tornem insustentável a permanência do ministro, qualquer análise crítica a ele será “fake news”. Pensar criticamente não deve ser mais o nosso forte...

  Este texto integra o comentário desta terça-feira (9) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para as rádios Excelsior, Irecê Líder FM, Clube FM e RB FM.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.