Breaking News
recent

Senado diz não ter nenhum registro oficial de sumiço do gabinete 24

Senado diz não ter nenhum registro oficial de sumiço do gabinete 24
Foto: Reprodução / Agência Senado

Há quatro anos o Senado abriga uma manifestação implícita de preconceito contra Homossexuais que pode ser checada por qualquer pessoa que percorra o principal corredor de gabinetes dos parlamentares. A numeração exposta nas portas começa no 1 e segue a sequência numérica lógica até chegar ao 23, quando, sem qualquer explicação, pula para o 25.

Em algum momento entre o final de 2014 e o início de 2015 a plaquinha de número 24 desapareceu sem (quase) deixar vestígios.

O Senado diz não ter nenhum registro oficial do sumiço. Parlamentares igualmente afirmam desconhecer o que aconteceu com o 24 - que por ser o número associado ao veado no jogo do bicho é usado há décadas como muleta para manifestações discriminatórias contra homossexuais.

O fato é que desde essa época o até então existente gabinete de número 24 passou a se chamar gabinete 26 - ele fica no lado do corredor de numeração par.

A reportagem visitou gabinetes, buscou documentos e entrevistou parlamentares e funcionários nos últimos dias para resolver o mistério e descobrir por que o Senado abriga de forma institucional, há quatro anos, a manifestação simbólica de discriminação.

O gabinete de número 24 foi usado até 2014 pelo senador Eduardo Amorim (PSDB-SE). Ele trocou para outro, naquele ano, e diz não ter ideia do que aconteceu dali em diante.

"O meu gabinete foi entregue. Eu troquei por causa da distância. Eu saí de lá e era 24. Eu não sei quem entrou depois", disse. O novo inquilino foi Dário Berger (MDB-SC), 62, de cujo gabinete partiu o pedido de mudança da numeração, do 24 para o 26.

A reportagem ligou 28 vezes nestas quarta (16), quinta (17) e sexta-feira (19) para o telefone celular de Berger e deixou recados também com sua assessoria. Não houve resposta.

A reportagem também enviou à assessoria de imprensa do Senado perguntas sobre quem pediu e quem mandou trocar a numeração, qual a justificativa usada e se a Casa considera adequado esse tipo de medida. Também não houve manifestação.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que assumiu o comando da Casa dois anos depois do sumiço do gabinete 24, se disse surpreso.

"Fui surpreendido, estou tomando conhecimento no dia de hoje. Eu, sinceramente, não encontro justificativa para que a numeração não seja seguida. Isso não aconteceu na minha gestão. Se tivesse tomado conhecimento antes teria dito à diretoria para voltar ao número anterior", afirmou Eunício, cujo mandato termina no próximo dia 31.

"Nem o Senado nem ninguém pode dar guarida a qualquer tipo de discriminação, contra quem quer que seja", acrescentou o senador.

Presidente da Casa à época, Renan Calheiros (MDB-AL) também diz que "nunca" soube da troca, afirmando que esse tipo de coisa não é assunto que chegue à cúpula da Casa. Renan, que é candidato a presidir o Senado novamente, disse ainda que não é preconceituoso e que não se "prestaria" a isso.

"Pelo amor de Deus, jamais essa discussão chegou no Senado. Eu não sou preconceituoso, não."

O diretor-geral do Senado à época da mudança era Luiz Fernando Bandeira de Melo, hoje secretário-geral da Mesa. Ele confirmou ter havido um pedido para a mudança do número 24 para o 26, mas disse não se lembrar de quem partiu.

"O Senado busca atender às demandas que surgem dos parlamentares. Isso é tratado com absoluta simplicidade", afirmou Bandeira, que disse não ter recebido justificativa da solicitação de mudança.

Perguntado sobre a falta de transparência no caso, respondeu: "Está plantado [o número] na porta, como não há transparência?".

A reportagem esteve no corredor de gabinetes dos senadores na última quarta-feira (16), período de recesso dos parlamentares.

Pessoas que estavam nas proximidades também disseram não saber o que havia ocorrido. Seguranças que trabalham no local há mais de cinco anos afirmaram não poder comentar o assunto. Ainda é possível ver na placa geral de identificação dos gabinetes vestígios do número 24 por trás do atual 26.

Em fim de mandato, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) era um dos poucos que estavam no local nesta quarta de recesso. Também se disse surpreendido com a história.

"Meu Deus. O jogo do bicho é ilegal. Então, o Senado se baseou em algo ilegal para manifestar preconceito contra os gays? É um absurdo", exclamou. Último ocupante do gabinete 24, o senador Eduardo Amorim hoje está no número 1.

Ele disse nunca ter ouvido manifestações preconceituosas em forma de piada durante o tempo que ficou no escritório anterior.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.