Breaking News
recent

Para levar PR, Neto prometeu votos também a irmã de Jonga Bacelar

Para levar PR, Neto prometeu votos também a irmã de Jonga Bacelar
Kátia Bacelar quer uma vaga na AL-BA | Foto: Reprodução/ YouTube
A operação liderada pelo prefeito ACM Neto (DEM) com o objetivo de levar o PR para sua base (entenda aqui) pode ser mais complexa do que se imagina. O Bahia Notícias apurou que ela envolve uma série de fatores que precisarão ser ponderados, tanto pelo prefeito quanto pelos deputados federais que estão prestes a debandar da bancada de apoio ao governador Rui Costa. Publicamente, o discurso dos republicanos é um. Falam que estão insatisfeitos com o pouco espaço no alto escalão do governo petista. Não deixa de ser verdade. No entanto, nos bastidores, comenta-se que o fator eleitoral será muito mais preponderante na decisão do PR de ficar com Rui ou correr para os braços de Neto. E, por fator eleitoral, entenda-se quantidade de votos para se eleger. Além de oferecer votos para retirar da UTI eleitoral o deputado federal e presidente estadual do partido, José Carlos Araújo, o prefeito de Salvador ainda se comprometeu a transferir sufrágios para Kátia Bacelar, irmã do deputado federal Jonga Bacelar, que está na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) e também respira por aparelhos porque ainda não tem a quantidade necessária para se eleger, estando na mesma situação do correligionário. De olho na situação, Neto, que está se tornando uma espécie de banco eleitoral, prometeu conseguir 30 mil votos para Araújo e outros 10 mil para Kátia. A proposta do democrata, então, enterneceu o coração de Jonga, que viu aí uma possibilidade ajudar a irmã. Com essa estratégia, o prefeito apelou para os laços de sangue e pode conseguir um aliado importante na tentativa de retirar o PR de Rui. Vale lembrar que, em reunião com Neto, o presidente nacional da sigla, Valdemar Costa Neto, deixou nas mãos da bancada federal baiana na Câmara a decisão de como marchar aqui no estado no pleito de outubro (veja aqui). Jonga ainda não deu seu posicionamento definitivo porque está em viagem na Europa, mas já foi informado por Araújo do teor da conversa entre Neto e Valdemar, acompanhada por ele, e das cartas que estão sendo postas na mesa. No entanto, sair da base de Rui pode representar um movimento perigoso para a reeleição do próprio Jonga. Atualmente, o deputado federal conta com o apoio de nomes do PSD em alguns municípios baianos. Caso deixe o petista, o parlamentar fatalmente perderia a aliança com os social-democratas, grandes avalizadores da candidatura de Rui atualmente, colocando em risco suas pretensões de passar mais quatro anos na Câmara. Nas contas feitas pelos matemáticos políticos nos bastidores, sem o PSD, Jonga não teria votos suficientes para se eleger. Com isso, Neto precisaria montar uma verdadeira junta médica para tirar da UTI política seus prováveis futuros apoiadores: Araújo e os irmãos Kátia e Jonga Bacelar. Como ele faria para fechar essa contabilidade, não se sabe. No PR, o único com reeleição considerada tranquila é José Rocha. Nesta situação favorável, ele joga como pode: se valoriza para um lado e para o outro. Na definição de algumas figuras da base governista que têm boas doses de picardia, o deputado hoje anda assim: dorme com Rui e acorda com Neto. No entanto, o governador não deve deixar tão fácil assim o PR cair nas mãos do principal adversário. Nesta quinta, ele terá um encontro com Araújo e deve colocar suas propostas para manter os republicanos ao seu lado. Esta conversa ganha contornos decisivos na definição de quem ganhará o leilão do PR. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.