Escrivães,investigadores,delegados, peritos técnicos,criminais, e médicos odonto aprovaram ocupar a  Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), nesta segunda (13) e terça-feira (14), com o objetivo de pressionar os deputados estaduais a incluir Emendas  ao Projeto-Lei 22.549/2017 que altera a estrutura remuneratória dos policiais civis e militares.
A categoria reivindica a inclusão da Aposentadoria com Integralidade de acordo com a Lei Complementar 51/1985, pagamento da GAP 5 para os policiais novos, GAPJ e GAJ, aumento do auxílio-alimentação e adicional de periculosidade. A Assembleia que ocorreu nesta sexta-feira(10), no Teatro do ( ISBA), em Ondina, deliberou também que os policiais civis vão participar do Cortejo da Lavagem do Senhor do Bonfim e pretendem organizar protestos em todas as agendas do Governador Rui Costa. A categoria reafirmou que não irá aderir à escala do carnaval, caso a gestão Estadual não faça a correção dos valores pagos pelas diárias,  horas extras e o plantão do carnaval de 2018.
O Presidente do SINDPOC, Marcos Maurício, destacou que os policiais civis irão  dar continuidade às mobilizações e intensificar as manifestações de rua em Salvador e no interior baiano. “As entidades ratificaram o foco da luta pela reestruturação remuneratória a qual segue critérios técnicos, jurídicos,constitucionais e profissionais baseados na atividade de investigação criminal e de polícia judiciária”, pontuou o dirigente sindical.
“A Assembleia foi extremamente importante porque nós  fortalecemos  a categoria para fazermos as manifestações de rua e pressionarmos o Governador a valorizar os profissionais que são responsáveis pela Segurança Pública da Bahia”, frisou o Vice-Presidente do SINDPOC, Eustácio Lopes.